Aí então, a gente passa a acreditar no que duvidava, concordar com o que discordava, e perceber que não tinha apenas se apaixonado, pois também já amava.

Aí então, a gente passa a acreditar no que duvidava, concordar com o que discordava, e perceber que não tinha apenas se apaixonado, pois também já amava.